institucional

A AMPE Metropolitana – Associação Metropolitana de Micro e Pequenas Empresas, fundada em 09 de Abril de 2010, é uma entidade aglutinadora de empresas atuantes em diversos segmentos econômicos comandadas por empreendedores que agem associativamente em busca de fortalecer as microempresas, empresas de pequeno porte e os empreendedores individuais do mercado regional, contribuindo para o aumento da competitividade e do desenvolvimento profissional e econômico da região, através de 5 pilares: Benefícios, Capacitação, Gestão, Relacionamento e Representatividade.

mensagem do presidente

entenda os

nossos pilares

representatividade

A AMPE Metropolitana atua para diminuir a burocracia, aumentar a capacitação e acesso ao crédito.
Saiba mais.

relacionamento

Una-se com outros associados para terem um maior acesso ao mercado em geral.
Saiba mais.

capacitação

Somos uma associação que disponibiliza orientações e cursos para empreender de forma efetiva.
Saiba mais.

benefícios

Disponibilizamos produtos e serviços para melhor gestão da sua empresa e equipe. Clique e conheça mais!
Saiba mais.

Gestão

Atuamos com uma gestão transparente e com foco em resultados, respeitando os recursos dos associados.
Saiba mais.

Missão, visão e valores

missão

Representar as MPEs e MEIs para a efetivação do tratamento constitucional favorecido e diferenciado, oportunizando a geração de negócios e o desenvolvimento empresarial e profissional.

visão

Ser reconhecida como a legitima representante das MPE´s e EI’s da Grande Florianópolis promovendo o desenvolvimento e a sustentabilidade empresarial.

valores

Atuação política e institucional em todas esferas para defender os interesses das empresas e seus colaboradores; Oferecimento de treinamentos e informações de forma direta e/ou indireta; Contribuição para a geração de negócios entre os associados.

membros

Diretoria executiva 2020-22

Piter Santana

Presidente

Alexandre Silveira

Vice Presidente

Silney de Aquino

Vice Presidente Jovem

Henrique V.

Secretário

Bayard M.

Tesoureiro

Almir M.

Conselheiro Fiscal

Ivam M.

Conselheiro Fiscal

Rodrigo Mariano

Dir. de Economia e Mercado

Leandro Berti

Dir. de Inovação

João P. Filippin

Dir. de Acesso Mercado Dig.

Antonio Slosaski

Dir. de Acesso ao Mer. Int.

Luciano M.

Diretor de Políticas Públicas

GESTÃO, PARTICIPAÇÃO E RECONHECIMENTO

política de gestão

Representar a classe empresarial em programas públicos nas esferas municipais, estadual e federal, juntamente com a FAMPESC e CONAMPE. Promover o associativismo, empreendedorismo e acesso a mercados, por meio de ações de relacionamento, capacitação e oferta de benefícios e informações aos empreendedores individuais e empresas de micro e pequeno porte. Aprimorar a profissionalização da Entidade por meio de ferramentas de gestão e qualificação da equipe.

Sistema representativo

A AMPE Metropolitana está filiada à Federação das Associações de Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina – FAMPESC e a Confederação Nacional das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte – CONAMPE, e tem atuação em programas públicos nas esferas municipais, estadual e federal.

Utilidade Pública Municipal

A AMPE Metropolitana é reconhecida como entidade de Utilidade Pública em Florianópolis pela Lei Nº 8967/2012, de 14 de junho de 2012.

cidades que fazem parte...

conheça nossa história

através de um resgate histórico dos presidentes que passaram pela instituição.

“A Ampe Metropolitana foi fundada após um movimento estadual que teve início em 2009. Antes, há cerca de duas décadas, existiu a Ampe Grande Florianópolis. A exemplo de outras associações que dependem de receitas voluntárias, passou por dificuldades e acabou fechando. A Fampesc, então, nos delegou a tarefa de fundar uma nova associação. Reunimos em torno de 20 empreendedores empenhados em formar a entidade. Por estar na diretoria da Fampesc, fui eleito para presidir a primeira gestão da Ampe Metropolitana. O mandato era de um ano, com possibilidade de reeleição por mais um. Meu compromisso era organizar a associação e em seguida passar a tarefa para uma nova pessoa, priorizando a formação de lideranças. A missão, em primeiro lugar, foi dar visibilidade à incitava e desenvolver projetos com sustentabilidade financeira, o que foi viabilizado com o convênio com a Unimed, que deu condição de receitas positivas. Na parte da visibilidade, a Ampe entrou como apoiadora do projeto Cedin - Centros para a Democratização de Informações e Negócios, com a Universidade Federal (UFSC) e o Ministério de Ciência e Tecnologia, que capacitou mais de mil pessoas em empreendedorismo, idiomas e inclusão digital. A movimentação inicial da entidade, além dos fundadores, se deu por meio da parceria da Fampesc com o Sebrae, no programa de Núcleos Setoriais, que permitiu inúmeras iniciativas. Uma delas, inovadora, foi o Núcleo de Casamentos Destination Wedding (Destino de Casamento) que funcionou por um ano e hoje está no Convention Bureau. Um dos grandes legados foi a formação de lideranças, como o advogado Fábio Braga, segundo presidente da Ampe e atual vereador em Florianópolis, além da minha eleição para a presidência da Fampesc. Outro foi a sustentabilidade financeira, a partir da parceria com a Unimed."

“Quando assumi, o objetivo era dar mais visibilidade para a Ampe Metropolitana, com o objetivo de mostrar que existia uma entidade exclusivamente dedicada ao segmento. Funcionávamos junto à sede da Fampesc, que nos cedeu uma sala. A parte financeira era garantida pelo contrato com a Unimed, para comercialização de planos de saúde para os empreendedores, pois os valores com as mensalidades não eram suficientes, mesmo com o número de associados crescendo. Seguindo uma característica minha, imprimi uma marca mais ligada à representatividade. Um dos eixos era garantir o tratamento diferenciado à micro e pequena empresa, que não existia em Florianópolis. Uma ação importante foi participar do grupo que começou a criar políticas públicas dentro da prefeitura para o MEI, que tinha acabado de nascer. Conseguimos, por exemplo, que o IPTU comercial não fosse cobrado para o MEI. A Ampe foi a única associação do estado a participar de todas as reuniões em Brasília sobre as alterações da Lei Geral das MPEs, que era uma bandeira fundamental. Tem um episódio muito marcante, no debate sobre a proposta de aumentar os limites da micro empresa e da empresa de pequeno porte, na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE). Nós estávamos em um outro auditório do Congresso, com várias entidades do Brasil todo e o secretário nacional da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif Domingos. Os deputados e senadores estavam em outra sala. Afif informou que os parlamentares estavam discutindo se iriam ou não votar o parecer sobre a proposta. Se votassem, iria para plenário. Mas alguns não queriam votar para ouvir novamente o Confaz, que reúne os secretários da Fazenda dos estados e já tinha tido a oportunidade de se manifestar. Eu estava na primeira fila. Levantei e disse para todos: então não é aqui que eu tenho que estar, é lá na outra sala. Fui o único a levantar e sair para a sala da CAE. O deputado Leonardo Quintão, de Minas Gerais, estava forçando a não votação. Discuti com ele um bom tempo, tentando convencê-lo a votar em respeito ao movimento da micro empresa. O então deputado Jorginho Mello me sinalizou para continuar a pressão. Nesse momento, o pessoal que estava na outra sala veio também em grande número e a manifestação foi forte. Afif e o presidente da Comicro (Confederação das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte) se juntaram a mim. Uma jornalista chamou o Afif para uma entrevista. Eu pegue o braço dele com jeito, pois estava quebrado, e disse: ministro, neste momento o senhor precisa ficar aqui. Continuamos ali e fizemos uma coisa que foi determinante para aquela votação. Eu e o presidente da Comicro, cada um pegou em um braço do deputado Quintão, levantamos e começamos a falar: ele vai votar, ele vai votar! Toda a sala começou a comemorar. O deputado não teve como voltar atrás e naquele dia o parecer foi votado e depois foi a plenário. A Ampe era, assim, protagonista de um momento histórico. 

Os objetivos principais do meu primeiro mandato foram a sustentabilidade, fortalecendo a gestão administrativa e comercial, com foco em resultados, e a representatividade, principalmente em número de associados. Atingimos a meta de dobrar o número de associados, que passou de 400 para 800. Na questão da sustentabilidade, conseguimos passar de um para mais de 40 serviços e benefícios ao associado. Fruto deste trabalho e das gestões anteriores, conseguimos comprar uma sede própria, que foi paga em menos de um ano. Este espaço inclusive gera receita, por meio do aluguel de nosso auditório, coworking Espaço MPE, sala de reuniões e atendimento e é seguramente o mais moderno espaço do Centro de Florianópolis, num espaço nobre da cidade. Para um melhor atendimento aos associados, passamos de três para seis funcionários. A partir de uma análise das gestões anteriores, conseguimos aperfeiçoar o trabalho, inclusive com gestão de pessoas, para uma melhor produtividade de cada colaborador no seu setor. Além disso, temos também uma maior presença digital da entidade. Com a casa estruturada e com uma identidade regional, a segunda gestão foi voltada mais para fora, para o empreendedor, com o fortalecimento de nossos pilares. Buscamos uma maior representatividade local, estadual e federal. Na questão da capacitação, certamente demos um grande salto e deixamos um legado. Em 2018, começamos a ter uma atuação realmente metropolitana, com ações em 14 municípios. Em 2019, passamos para 22 municípios, com mais de 100 ações de capacitação. Estas atividades fizeram parte das comemorações dos 10 anos da Ampe Metropolitana, que completamos neste dia 9 de abril de 2020. Com início da pandemia e para proteger os pequenos negócios em caso de medidas mais rigorosas contra a pandemia, levamos à Secretaria de Desenvolvimento Econômico e ao Ministério Público a proposta de ampliação de R$ 3 para 5 mil reais do Juro Zero Estadual para os meis, e em 2021, a proposta do Juro Zero Pró-Economia. Inspirado no Juro Zero Floripa, trata-se de um programa de crédito e apoio às micro e pequenas empresas e MEIs do Estado, com o objetivo de oferecer crédito pré-aprovado, por meio de uma ferramenta on-line. A proposta foi aceita e o governo estadual criou um auxílio emergencial com linha de crédito de R$ 1,5 bilhão. Os financiamentos serão por meio do Badesc e BRDE. Os MEIs podem solicitar até R$ 10 mil, enquanto os micro e pequenos empreendedores têm direito a até R$ 100 mil. O tesouro estadual vai bancar as taxas de juro. No aniversário de 11 anos da entidade lançamos o circuito de capacitação virtual, , endereço fiscal para empreendedores, novo site e um balanço de 11 grandes ações que marcaram sua história, a Associação das Micro e Pequenas Empresas da Região Metropolitana de Florianópolis (Ampe Metropolitana) completa 11 anos neste dia 9, sexta-feira. O aniversário foi marcado por uma live para apresentação da agenda de 2021 e um relato das realizações.
 
“A Ampe Metropolitana é a única entidade exclusiva das micro e pequenas empresas e MEIs da região e nestes 11 anos luta de forma permanente e com propostas concretas em defesa do melhor ambiente de negócios para o segmento”, explicou o presidente da associação, Piter Santana. São 100 mil MEIs, 80 mil micro e pequenas empresas e 12 mil empresas de pequeno porte, que representam 98% de todas as empresas da região metropolitana. Em Santa Catarina, os pequenos negócios são responsáveis por 54% dos empregos formais e por 41% do PIB.
e também, ao longo de 11 anos, destacamos nossas 11 principais ações.

Desde 2012, a Ampe Metropolitana apresenta um manifesto com sugestões de políticas públicas aos candidatos a prefeito da região. O Juro Zero Floripa é um exemplo de conquista desta iniciativa. Nos últimos anos, a entidade ampliou esta ação, encaminhando as propostas para os eleitos não só do Executivo, mas também do Legislativo de cada um dos 22 municípios. 

Em 2013, a prefeitura de Florianópolis preparou um projeto para aumentar as alíquotas do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) e do ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis), que teria forte impacto na sociedade. O alerta foi transmitido ao presidente da Ampe Metropolitana, Fábio Braga, pelo ex-presidente da entidade, Alcides Andrade, que naquele momento fazia um trabalho junto ao Secovi (Sindicato da Habitação). “Precisávamos agir logo. E nossa primeira conversa foi no Mercado Público”, lembra Fábio. A decisão foi iniciar uma mobilização contra os aumentos abusivos. O Secovi ficaria com o tema do ITBI e a Ampe com o do IPTU, por afetar diretamente o pequeno empreendedor. “Montamos um abaixo-assinado virtual, que reuniu mais de 5 mil assinaturas. A imprensa não estava dando cobertura ao assunto. Mas com nossa mobilização nas redes sociais e buscando aglutinar outras entidades, o protesto começou a crescer”, conta Fábio. 
 
A Ampe, uma entidade pequena e ainda jovem, era protagonista do que talvez tenha sido o maior movimento empresarial da cidade. Com um trabalho de convencimento junto aos veículos de comunicação, mostrando os equívocos do projeto e o quanto todos seriam penalizados, e também com a união de diferentes entidades, o movimento ficou cada vez mais forte. A imprensa começou a fazer uma cobertura mais ampla e a polêmica se alastrou. “Éramos terminantemente contra o aumento do ITBI e contra a forma como foi feita a revisão da planta genérica, sem diálogo com a sociedade. Atuamos com firmeza na Câmara de Vereadores, publicando em outdoor os nomes e fotos dos vereadores favoráveis ao aumento. Fomos à Justiça, onde perdemos no ITBI. No IPTU, uma coisa inédita, o TJ acabou legislando ao dizer que a Lei estava errada”, recorda. A ação ainda tramita em instâncias superiores.
Você já se imaginou vivenciar um mundo cervejeiro em uma região turística paradisíaca? Esta é a proposta do Caminho Cervejeiro Grande Floripa, uma rota turística da diversidade de estilos de cerveja e Micro cervejarias artesanais em meio a um ambiente turístico privilegiado com natureza, praias, rock, esportes, cultura, e mais de 60 tipos de cervejas deliciosas.
As cervejarias se espalham por um território que compreende 13 municípios no entorno de Florianópolis a Capital do estado de Santa Catarina. A região vive um fervilhar de cervejarias, tanto artesanais profissionais como caseiras que buscam na arte da cervejaria o prazer de sabores únicos da bebida. Para os que buscam o prazer da cerveja e um algo a mais, muitos atrativos podem ser sugeridos como as águas hidrominerais de Santo Amaro da Imperatriz e Águas Mornas, a cultura açoriana e dos Oleiros de São José, as belas praias de Florianópolis, o passeio dos Universitários da Pedra Branca de Palhoça e o pôr do sol em Santo Antônio de Lisboa.
Uma degustação completa em todas as cervejarias também é possível sendo recomendado a utilização de transfer ou táxi que podem ser indicados em cada estabelecimento. Caso não tenha tempo para visitar todas as cervejarias ou queira realizar um evento com a legitima cerveja do Caminho Cervejeiro, várias cervejarias possuem o serviço de delivery e levam até você o que há de melhor na região ou oferecem lugares inusitados para a realização do seu evento. O Caminho Cervejeiro é um produto Turístico organizado pela União Cervejeira, uma Associação que une os Cervejeiros profissionais da Grande Florianópolis com apoio do SEBRAE e AMPE Metropolitana.

Juro zero Floripa beneficia empreendedores e deve ganhar versão nacional.
 
O Juro Zero nasceu com a Carta da Ampe Metropolitana, a partir da Lei 123, sobre a micro e pequena empresa. A legislação foi adaptada para ser apresentada na forma propostas de políticas públicas, dirigidas às prefeituras da região. A entidade encaminhou as demandas aos candidatos a prefeito de 22 municípios a partir de 2012.
Até o momento, a única prefeitura a adotar o programa foi a de Florianópolis, por meio da Secretaria de Turismo, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico, com um diferencial em relação ao adotado pelo governo do Estado: além dos microempreendedores individuais, são atendidas também as microempresas.
Por iniciativa do presidente da Ampe Metropolitana, Piter Santana, o programa foi levado ao governo federal e deve ser transformado em um projeto para todo o país. A ideia é criar o Juro Zero Nacional e um fundo garantidor para o microcrédito.
Lançado em agosto de 2017, o programa concede empréstimos sem juros de até 7 mil reais para microempreendedor individual (MEI) e até 10 mil reais para microempresa (ME) com sede em Florianópolis. Caso as parcelas do empréstimo sejam pagas em dia pelo microempreendedor, os juros são por conta da Prefeitura de Florianópolis, propositora do programa. O Juro Zero já concedeu mais de R$ 2,7 milhões em empréstimos, desde sua criação. A maioria dos microempreendedores individuais e microempresas beneficiadas são associadas à Ampe. Esse modelo de empréstimo é o primeiro no país a ser realizado por um governo municipal. Os atendimentos, cadastros, análises e emissões do crédito são feitos pelo Banco do Empreendedor, instituição parceira do programa. Para solicitar o crédito, os interessados devem comparecer a qualquer unidade do banco em Florianópolis ou ir até o box 47 do Juro Zero Floripa no Mercado Público. “O programa Juro Zero de Florianópolis é uma referência. Estou participando de vários eventos em outras cidades, estados e em Brasília para falar desse exemplo positivo, que movimenta a economia e fortalece o empreendedorismo”, explica Piter Santana, que esteve à frente do programa quando atuou como superintendente de Desenvolvimento Econômico de Florianópolis.  
 

Com destaque para a palestra com o economista Luis Ewald, o Sr. Dinheiro, do programa Fantástico, o evento “Empreenda!” reuniu mais de 800 empreendedores. Atividades de capacitação, relacionamento e lazer fizeram parte da programação. A realização da Ampe Metropolitana teve apoio do Sebrae e da Fampesc para marcar o Dia Nacional das Micro e Pequenas Empresas.

Palestras gratuitas de capacitação aos empreendedores fizeram parte da Semana MPE, entre setembro e outubro de 2019, em Florianópolis, São José, Tijucas e Biguaçu. A organização da Ampe Metropolitana e Universidade do Vale do Itajaí (Univali) teve apoio do Sebrae/SC e Sescon Grande Florianópolis. Com as restrições da pandemia de Covid-19, o evento foi realizado de forma virtual em 2020, inclusive ampliando o público beneficiado.

A Ampe Metropolitana foi a organizadora da Semana do Crédito, iniciativa do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. No evento, micro e pequenas empresas da indústria, comércio e serviços que buscavam novos valores de crédito e regularizar a sua situação em empréstimos e impostos atrasados tiveram uma excelente oportunidade para negociação.

A Ampe Metropolitana iniciou na terça-feira (6) um programa gratuito de capacitação em gestão para micro e pequenas empresas e MEIs. Durante todo o ano, sempre às terças, às 19h, será possível acompanhar um Circuito de Lives que a entidade realiza em parceria com Performance de Excelência e apoio do SICOOB Euro Vale. Veja toda a programação e como participar em sympla.com.br/circuito-ampe__1157429 ou entre em contato com a entidade.

Para proteger os pequenos negócios em caso de medidas mais rigorosas contra a pandemia, a Ampe Metropolitana levou à Secretaria de Desenvolvimento Econômico e ao Ministério Público a proposta Juro Zero Pró-Economia. Inspirado no Juro Zero Floripa, trata-se de um programa de crédito e apoio às micro e pequenas empresas e MEIs do Estado, com o objetivo de oferecer crédito pré-aprovado, por meio de uma ferramenta on-line. A proposta foi aceita e o governo estadual criou um auxílio emergencial com linha de crédito de R$ 1,5 bilhão. Os financiamentos serão por meio do Badesc e BRDE. Os MEIs podem solicitar até R$ 10 mil, enquanto os micro e pequenos empreendedores têm direito a até R$ 100 mil. O tesouro estadual vai bancar as taxas de juro.

Além de encaminhar propostas de políticas públicas a candidatos e eleitos na região, a Ampe Metropolitana tem realizado inúmeras reuniões com parlamentares municipais, estaduais e federais, além de secretários da área de desenvolvimento econômico. No plano nacional, a entidade é ativa em fóruns do Congresso e do governo federal, sempre em defesa do tratamento favorecido e diferenciado ao segmento. O trabalho da entidade é uma referência para outras regiões e tem levado sua experiência de gestão inclusive a outros estados.

Com muito trabalho, a Ampe Metropolitana fortaleceu sua marca de entidade realizadora. Nosso compromisso é ampliar as ações que tornarão ainda mais sólidos nossos pilares de benefícios, capacitação, gestão, relacionamento e representatividade. Juntos somos mais fortes! Associe-se à Ampe Metropolitana, Associação parceira do empreendedor.

depoimentos

A parceria da Ampe Metropolitana com diversos órgãos, instituições e entidades é essencial para as conquistas em favor do segmento. A seguir, alguns depoimentos que mostram a relevância desse relacionamento. “No segmento do desenvolvimento econômico é importante que o poder público coloque em prática programas que estejam de acordo com as necessidades reais dos empreendedores. Agradeço a Ampe Metropolitana pela parceria firmada conosco desde 2017, quando nossa gestão assumiu. Desde então, muito tem sido feito a partir de ações integradas. Uma dessas iniciativas é o programa Juro Zero Floripa, que em 2 anos de criação, emprestou cerca de R$ 1,2 milhão concedidos em empréstimos. Hoje, quem embarca na missão de empreender em Florianópolis tem a certeza de que pode contar com o poder público municipal para criar, desenvolver e impulsionar o seu negócio. A implantação também do Floripa Empreendedora que vai até o empreendedor no bairro para dar orientação e o auxiliar na condução do seu negócio e também para ofertar os programas de fomento da prefeitura. Outra iniciativa que saiu do papel foi o Plano de Desenvolvimento Econômico Municipal, o PEDEM, que mostra que a cidade de Florianópolis é um ambiente seguro de investimento e que apresenta um potencial de crescimento ainda maior, com mais oportunidades e igualdade social. Com o mapeamento das fragilidades que o estudo apresenta, as ações para aprimoramento de cada uma das áreas estratégicas para o município serão ainda mais efetivas. Seguimos em frente com ainda mais conquistas pela frente!”

Gean Loureiro Prefeito

“O governo de Santa Catarina, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico Sustentável, reconhece a relevância das micro e pequenas empresas e do microempreendedor individual na geração de emprego e renda e, consequentemente, no desenvolvimento da economia do Estado. O fortalecimento deste segmento é muito importante para absorver a mão-deobra excluída dos mercados, desenvolver regiões carentes, distribuir a renda e corrigir as distorções econômicas. Como ações voltadas para o setor podemos destacar o Programa Juro Zero, que disponibiliza empréstimos de até R$ 3.000,00 sem juros para o MEI formalizado investir em seu negócio; o PRODEC (Programa de Desenvolvimento da Empresa Catarinense), que tem como finalidade conceder incentivo à implantação ou expansão de empreendimentos industriais que vierem a produzir e gerar emprego e renda no Estado; o SC Bem Mais Simples, que institui o enquadramento empresarial simplificado e permite maior agilidade no processo de abertura de empresas e o Fórum Estadual Permanente das Micro e Pequenas Empresas e do Microempreendedor Individual, que é um órgão colegiado competente para os assuntos relativos ao tratamento diferenciado, favorecido e simplificado, dispensado aos MEIs, MPEs e EPPs. Destacamos que é muito importante a relação do governo com as entidades representativas do setor, assim como a Ampe Metropolitana, para que os programas governamentais tenham como foco a implementação de um ambiente institucional e regulatório que seja compatível com o tamanho e os custos deste segmento, de forma que elas possam enfrentar uma justa competição de mercado com as grandes empresas.”

Letícia Duarte Lemos Diretora de Empreendedorismo e Competitividade

“Atualmente, 99% das empresas formais de Santa Catarina são de micro e pequeno porte. Juntas, são responsáveis por mais de 35% do PIB do Estado e por 52% dos empregos com carteira assinada. Diante desse cenário, o Sebrae/SC tem a missão de estimular o desenvolvimento sustentável dessas empresas. Para isso, estamos presentes em todas as regiões do Estado e, além das consultorias e capacitações, promovemos ao longo do ano uma série de eventos e de projetos que estimulam o empresário catarinense a inovar e a aperfeiçoar a gestão dos seus negócios. Na Grande Florianópolis, contamos com a parceria de algumas instituições que também acreditam na força transformadora do empreendedorismo. Uma delas é a Ampe Metropolitana, que aposta na força dos pequenos negócios como mecanismo propulsor da nossa economia. O trabalho que realizamos em conjunto, sem dúvida, garante mais força e estrutura às pequenas empresas e irá resultar em uma sociedade cada vez mais justa e igual.”

Wanderley Andrade Gerente Regional do SEBRAE - Grande Florianópolis

“O Banco do Empreendedor tem a missão de promover o desenvolvimento econômico e social, de forma orientada e sustentável, por meio da oferta de produtos e serviços microfinanceiros, apoiando os pequenos negócios, formais e informais, os microempreendedores individuais e as micro e pequenas empresas. Aposta e estimula a prática do empreendedorismo, como solução para diminuir a desigualdade social e melhorar a qualidade de vida das pessoas. Tem como principais parceiros as entidades de representação empresarial, especialmente as que representam os MEIs e as micro e pequenas empresas, como a Ampe Metropolitana. Atua fortemente em parceria com o Sebrae/SC, prefeituras municipais, Badesc e governo do Estado. Diferencia-se por aplicar a metodologia de atendimento presencial e orientado, visando sempre o sucesso do empreendedor atendido.”

Luiz Carlos Floriani Diretor Superintendente do Banco do Empreendedor

“O Sescon-GF tem como objetivos proporcionar o desenvolvimento dos empresários do setor contábil, desenvolvendo ações de educação, capacitação e palestras, beneficiando todos os associados e empresários ligados à entidade. Também buscamos a solução de problemas junto aos órgãos públicos, como prefeituras, Estado, Receita Federal e Junta Comercial, melhorando o entendimento de aplicação de leis e normas para o dia-a-dia dos contadores. A união com entidades parceiras como Ampe Metropolitana, Sebrae e CRC (Conselho Regional de Contabilidade) torna as ações desenvolvidas mais abrangentes e com maior penetração na regiões onde atuamos em conjunto, fortalecendo as entidades e melhorando o empreendedorismo.”

Darley Antonio Grando Presidente do SESCON/GF

“A Confederação Nacional das Micro e Pequenas Empresas e Empreendedores Individuais foi criada em 1994, fruto do trabalho do Movimento Nacional da Micro e Pequena Empresa, fundado em 25 de agosto de 1992. A Conampe trabalha para que o segmento tenha o seu reconhecimento, não simplesmente pelo seu grau de importância, mas pelo seu poder de transformação social. Propomos e sugerimos aos poderes públicos medidas de interesse das classes produtoras, capazes de promover o desenvolvimento e a prosperidade da economia. A entidade organiza, promove e patrocina seminários, congressos, simpósios e outras atividades de formação e mobilização empresarial. Neste caminho, temos um contato permanente com a Ampe Metropolitana, por ser uma referência em realizações e conquistas. A participação da associação em nossas instâncias têm trazido ótimas contribuições para o segmento.”

Ercílio Santinoni Presidente da CONAMPE

“O governo federal tem em entidades como a Ampe Metropolitana um apoio fundamental para trabalhar em favor de um melhor ambiente para os negócios. É assim, por exemplo, com a Medida Provisória da Liberdade Econômica, criada para desburocratizar a vida do empreendedor e ajudar a recolocar o país nos trilhos do desenvolvimento. Sem os entraves criados por licenças, alvarás e outras documentações, em especial os pequenos serão beneficiados. Em questões como esta e muitas outras, a Ampe Metropolitana tem sido parceira, sempre com ótimas sugestões, resultado de sua experiência em buscar soluções para as micro e pequenas empresas e para o microempreendedor individual.”

José Ricardo da Veiga Subsecretário de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas do Ministério da Economia

Após ter contribuído como um dos fundadores da AMPE Metropolitana, tive a oportunidade de ser eleito representando as Micro e Pequenas Empresas de nossa cidade como vereador e presidente da Câmara Municipal de Florianópolis. No cargo sempre atuamos com objetivo de atender as demandas para que pudéssemos junto com a entidade tornar Florianópolis uma cidade cada vez mais empreendedora.

Fábio Braga Ex-Presidente da AMPE e da Câmara de Vereadores de Florianópolis

A Fampesc é composta por 20 associações de micro e pequenas empresas de todas as regiões de nosso estado, na grande Florianópolis, temos a AMPE Metropolitana, uma das principais e mais atuantes de todo o sistema. Com foco bem definido em ajudar os empreendedores, a AMPE vem auxiliando seus associados na capacitação, em dezenas de benefícios, com um gestão focada em resultados, gerando relacionamento e representando as Mpes e Meis da região junto aos municípios, ao estado e no governo federal, propondo políticas públicas e apoiando em um melhor ambiente de negócios.

Rose Dedekind Presidente da FAMPESC

A Subsecretária de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas, Empreendedores e Artesanato do Ministério da Economia, vem recebendo inúmeras contribuições e propostas oriundas da constante participação da AMPE Metropolitana em nosso Fórum Permanente das Micro e Pequenas Empresas, espaço que recebemos a sociedade civil organizada para discutir políticas públicas em âmbito nacional.

Fábio Santos Coordenador Geral da Subsecretária de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas, Empreendedores e Artesanato
    ×

    Olá!

    Clique em um dos nossos atendentes e inicie um chat no WhatsApp.

    ×